19 de ago de 2014

Cataplasma


Desperta com um murro a ferida que parecia jazer pacífica.
Escorrem líquidos quentes, amargos...
Dos olhos, da ferida.

Rompe-se novamente a represa de palavras.
E digo, e canto, e imploro pelo que já não deveria.
Novamente o silêncio explica: acabou.

Mas a ferida latejando não me deixa esquecer.
Insisto. Mais silêncio...
Persisto. O silêncio grita!

Repouso, enfim. Qualquer sofrer exaure. 
Noite curta, estranha, sem sonhos, sem pesadelos.
Nada. Mais nada.

O escorrer de líquidos cessa. 
Mais um dia limpo do vício da presença.
Mais um dia morto, apesar de vivo.

Morto como são as palavras oferecidas.
O olhar oferecido.
A mão estendida...
Flores, ervas, arrancadas do jardim,
colhidas sem dever.

Começo a partir, quebrar, triturar tudo o que murcha sem vida.
Canção, poema, pedido, sonhos.
Faço um cataplasma e coloco sobre a ferida.
Ela passa a latejar menos, a torturar menos.
Ao menos por mais um dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário