25 de jun de 2016

"MICROCOSMO"


Por que?
Porque sentimos, porque algo nos encanta, nos dói, nos alcança.
Porque é nisso que reside nossa humanidade: no comover-se.
Por isso as canções, os poemas, os sorrisos, as lágrimas, as saudades, os sonhos ao meio dia.
Por isso mais palavras, mais versos, outros amores, outros adeuses.
Porque eu sinto. Porque nós sentimos.
Dançamos nas noites frias quando a esperança parece ter ido embora por completo; choramos de medo de algo Belo demais.
Crianças tolas, indefesas, complexas, escravas dos próprios desejos, todos nós.
Microcosmos inexplorados, colidindo-se num universo magnífico e assustador.
Pequenos mundos inacabados, repletos de santidade, pureza, dúvida e monstruosidade.
Universos inteiros onde bailam elegantemente luzes e trevas.
E eu abro as portas, os poros, o sorriso, o espírito e todas suas cicatrizes mais uma vez.
E eu convido abrir portas, poros, sorrisos, cicatrizes.
Porque sentimos.
Sentimos muito, e não estamos nos desculpando por isso.

Em breve meu novo livro: ‪#‎Microcosmo‬

24 de jun de 2016

Sorrio de volta


Ninguém haveria de dizer que não era um quase-amor
Aquele sentimento menino que ria e cantava,
Errava as estradas, tropeçava e ignorava
Lógicas e realidades.

Todo milagre é tão frágil,
Como são as pequenas flores as que mais perfumam.
Havia o instante, fugaz e displicente, mas havia...
E todo instante é a eternidade distraída.

E aquela imagem de um longo abraço,
Um peito aconchegando um espírito cansado,
Era um retrato bonito e impecável
Encontrado ao acaso pelos escombros da realidade.

Ah... Essas pequenas falhas na engrenagem insípida e bruta!
Construímos com maestria o inferno em que nós mesmos habitamos;
Mas às vezes, vezes raras como o oxigênio no maior topo,
A vida esboça um sorriso. E eu sorrio de volta.

23 de jun de 2016

É sempre inverno


Partem por fim os belíssimos velhos fantasmas.
Nada mais brilha onde o calor de suas auras incendiadas reinava.
É agora inverno. É sempre inverno.
Outra vez os ipês... Outra vez o coração gélido.

Recolho cada demônio liberto após a morte do Amor.
Tantos instintos sujos, selvagens,
Correndo livres à beira de abismos.
Não mais... Não mais!

Repousarão carne, desejo e espírito
Em um lençol fino de memórias ressequidas.
Mergulharão em um sono profundo,
De sonhos inocentes, quase felizes.

Por um instante, talvez, nenhuma ânsia, nenhuma dor.
Apenas mais palavras sem força, sem poder.
Escorrendo mornas, como um rio raso,
Em direção ao oceano que nunca atingirão.

20 de jun de 2016

Sem mais...


Quando os sonhos se revelam frágeis como a bruma,
Desaparecendo nas mãos da claridade inclemente da manhã,
Espera-se ansiosamente pelo retorno da noite,
Onde o silêncio impera, a dor não é mais uma inimiga,
E as sombras, antes evitadas, agora recebem o amor.

Meus olhos alcançam a hipocrisia dos anjos,
Observam seu egoísmo, sua soberania.
Toda essa benevolência forjada, arrogante.
Incapazes de acolher, acalentar, aquecer.
Incapazes de compactuar com a verdade.

Não resta luz que iluda.
Não resta altar para louvar benesses falsas.
Não resta pedestal para ídolos belos, ocos, sem vida.
Deleite-se com a doce carne suja, mais e mais;
O espírito é vivo e forte, intocável por mãos ignóbeis.

19 de jun de 2016

'Muy cerca de ti'


Por que?
Por que falta algo?
Lembra, ontem, as pessoas dançavam abaixo das estrelas,
Batíamos palmas e sorríamos,
E tudo era tanta luz, tanto calor, tanta verdade.
Por que falta algo?

Hoje, aquela lua nova, lembra.
Linda demais num céu bicolor,
Enquanto falávamos trivialidades,
Porque a amizade é tão longa e pura,
Que já dispensa filosofias.
Basta a presença.

Lembra de todas as lágrimas que colheu?
Lágrimas por falsos sentimentos, transitórios acontecimentos;
Aos quais eu dava a completude de alma,
Enquanto a alma jamais era realmente vista.
Mas você estava ali, me chamando de irmão.
E eu sabia que, se o mundo todo fosse mentira, você seria verdade.

Sim, falta algo.
Porque este espírito Deus criou faminto,
E ele busca por noites, calores e sorrisos.
Busca por um porto, um lar, jamais dantes conhecido.
O Amor ainda brilha no horizonte inatingível...
Mas em meu peito já habita o tesouro. Habita você.

18 de jun de 2016

Outro Belo adeus

Tenho-te em minhas mãos com tanta doçura.

Meus olhos brilham aos teus encantos,
Como o dos amantes aos primeiros raios do sol,
Após longo e triste inverno.

Uso de toda doçura e toda compreensão.
Há em cada gesto um imenso amor,
Tão grande quanto delicado;
E tudo a ti ofereço.

Mas vejo tuas costas em desdém.
Meu amor, minha luminosidade, meu calor...
Tudo é pouco, tão pouco.
E vejo teus olhos mirando outro horizonte.

Se comigo desbravasse cada campo selvagem desta alma,
Teria em teu peito a reluzir tesouros inatingidos.
Mas deslumbres maiores o envolvem,
E eu não posso provar minha capacidade de operar milagres.

És outro adeus. Outro Belo adeus.
Mais uma relíquia inanimada em um baú de tesouros sem vida.
Mas tanto tenho a agradecer!
Neste mundo primitivo, a dor ainda é a prova da minha humanidade.

15 de jun de 2016

Inverno


Não, jovem esperança!
Não dê as mãos ao fim da tarde.
Logo será noite fria
E eu não verei outra vez seu sorriso.

Cada vez dói mais profundamente o adeus.
O que fica, são memórias frágeis como cinzas.
E o vento sopra displicente
Esparramando os sonhos ainda em gestação.

Sei que nada mais levará minha alma embora outra vez,
Mas tantos solavancos a partem em tão pequenos pedaços.
As relíquias que ainda guardo no peito pesam.
E os olhos não querem mais regar nenhum adeus.

Tente cainho com meu destino, esperança.
Meus pés não irão se por sobre solos mortos.
Pois embora o inverno inclemente lá fora,
Meu peito arde em chamas intermináveis.

12 de jun de 2016

O menino corre


Corre o menino eternamente em uma orla infinita.
O vento acaricia sua pele, sua dor.
Já não sabe do que foge, o que busca.
Já não sabe se foge do que busca.

De um lado, há sempre o velho poente escarlate.
De outro, uma noite fria, tempestuosa.
Ele ao meio,
Cheio de medo e profunda admiração.

Perdida, distante,
Estaria a essência dele mesmo?
E essa essência bastará sem quem a desfrute?
E há quem queira desfrutá-la?

Ainda o menino corre,
E salta, e dança.
Onde ele está é lindo
Porque ele está livre.

O horizonte é ameaçado pelos brados da realidade,
Mas um lume fraco vem do sorriso da Esperança.
De uma noite não tão remota vem a lembrança...
Dentro daquele abraço ele reconhecia seu verdadeiro lar.

8 de jun de 2016

Eu sigo


Todas as futuras histórias cheiram como as velhas.
Novas claridades embelezando antigas ilusões.
E eu ouço a voz dos adeuses antes de qualquer palavra vibrar.

Eu leio os sinais no silêncio e na escuridão.
Prevejo as tempestades escondidas nas calmarias.
Sinto a dor antes do golpe.

Mas agora eu vejo o que é precioso.
O que nunca foi tomado ou partido.
E ainda levanto a cabeça ao chamado da esperança.

O amor é uma lenda antiga que canto aos meus ouvidos.
Uma lenda sem provas de que existiu ou existirá.
Mas ainda, uma canção tão bonita...

Agora sei que o caminho para o paraíso 
Transpassa tempos percorrendo o inferno.
Eu sigo.
A profunda essência nunca se perderá.


1 de jun de 2016

É tarde


Então era essa a antiga sensação de caminhar em nuvens?
A manhã trouxe da funda memória tempos de outrora.
A mesma bruma antiga, com seu sabor úmido e doce,
Pairava sobre a cidade ainda sonolenta;
E juntos dos sutis feixes de luz
Transformava as ruas em belos caminhos oníricos.

É manhã.

Se fosse livre, mergulharia impudente naquele raso instante.
Beberia de suas luzes e suas sombras,
Sem a sempre presente dor do passado junta dos temores do futuro.
Liberto das palavras!
Palavras incômodas, barulhentas, pesadas, natimortas.
Sem os frios grilhões do tempo e do espaço.

É noite.

Seriam extintos os espasmos horrendos do peito?
Sem mais clamores fervilhantes por ilusões desdenhosas?
Adentro um campo desconhecido,
Desacompanhado da esperança, do amor, da dor.
Os sonhos gritam de longe: desertor!
Não olho para trás e nada resta a dizer.

É tarde.