21 de mar de 2017

Ser livre

Talvez um cético quanto aos misticismos como eu, deva admitir que há algo de revelador e irrefutável em algumas dessas mirabolantes e absurdas teorias orientais sobre a vida.
A nítida impressão que tenho é ter a alma numa ininterrupta e insolucionável guerra santa .
E sabendo que a minha voz, a minha palavra, a minha sombra e a minha luz não alteram coisa alguma, por que insistir? Essa pequena coisa frágil e deformada que talvez se chame orgulho nunca poderia ser forte o bastante para alavancar o desejo ardente que às vezes brota da alma e tenta fazer de mais uma existência fugaz, ordinária, uma vida digna de uma vasta e poética biografia.
Vai saber a fé seja uma coisa tão misteriosa como dizem os santificados, a nos mover as engrenagens mesmo sem darmos combustível puro aos motores.
Se a gente abre a caixa rubra de memórias, vê que nada mais parece ser o mesmo, mas tudo continua exatamente igual. O espírito não aceita mais as velhas e desbotadas fantasias; mas mal se lembra de modificar o que reside abaixo das máscaras.
Das centenas de milhares de palavras gastas, talvez o significado seja este: ser livre. Cores, sabores, amores, tudo clama apenas o mesmo: liberdade. E liberdade é tão grande. É além de ir à rua sem medo, além de amar sem vergonha, além das manhãs de domingo livres, além da carne, além até do que disse a sábia... "Liberdade é não ter medo.". É Além. Só isso que sei; é também fome, saudade, insônia, dúvida. Deus! Se tem uma coisa que é muita coisa, é a liberdade!
A gente então vai bolando formas de fingir ser livre. Seja pelo prazer, pelo orgulho, pelo egoísmo, pelo amor, pela benevolência, ou pela poesia. E a poesia é uma coisa linda! Porque ela sorri e abraça todas as coisas com o mesmo amor. A poesia é uma mãe.
Então fui livre assim, poetizando a dor, o amor, a lonjura e a proximidade. Tudo o que é grande demais cabe dentro da poesia, e ela não reclama, não pede mais espaço, não chora ao ser ignorada.
E ao contrário da carne, da vontade, da esperança, da promessa, a poesia não sucumbe; vai saltando de coração em coração, fazendo morada provisória em cada peito aberto que a convida.



"Multiverso", meu mais recente livro, está disponível em:

https://www.clubedeautores.com.br/book/230428--Multiverso?topic=fotografia#.WNIRhYErIdU



9 de mar de 2017

Lançamento de "Multiverso"


Da ilusão da matéria (a energia em aparente repouso) aos estímulos sentimentais (intangíveis verdades em constante ebulição) somos aglomerados de luzes, sombras, planos distintos. Múltiplos universos. Criaturas com começo, sem fim, habitando o pensamento do que é Infinito. O que não entendemos, sentimos, e às vezes, isso basta. 
Multiverso é um diário de bordo de uma viagem ininterrupta pelo vórtice das sensações. O esforço de imprimir através do verso e da prosa percepções da alma.
O livro é inciado pelo poema e encerrado pela prosa. Formas distintas de expressão sobre épocas e assuntos distintos.
Muitas vezes mais duro e árido, mas sem abdicar da capacidade de filtrar a beleza que reside em tantas coisas, o poema traz a voz do homem diante das realidades frenéticas e dos sentimentos intensos a que é exposto. Já a prosa virá leve e de lá de trás, dos distantes tempos idos de meninice. 14 historietas relembram como era o mundo visto através da simplicidade do olhar infantil. Uma narração singela de uma época onde tudo era cheio de cor e encanto.
Qual a conexão do homem com o menino?
Seja na infância ou na maturidade, a poesia sempre foi e será a querida menina que reside nos olhos.
Estimo então que a poesia cumpra seu papel de dar contorno e vida aos tantos e tão distintos sentimentos. Que ela seja uma forma de resistência diante das amarguras dos dias, que seja a canção saudosa pelas luzes que se apagaram, que seja o som do sorriso em resposta ao coração que se aconchega em memórias gentis.
Longe da obrigação de ser um mero estilo literário, que a poesia se faça um estilo de alma, por onde soará o grito contido, escorrerá a lágrima de esperança, se insistirá na ressurreição da fé, se lutará ainda outra vez pelo Amor.




Venda física e digital: https://www.clubedeautores.com.br/book/230428--Multiverso#.WMX6roErIdV