14 de mar de 2016

Há ainda dentro


Eu lembro de uma estrada...
De luzes velozes, um aroma, uma proteção.
Eu lembro do silêncio e ao mesmo tempo de uma canção:
Quando a quietude é pura, ela canta.

Todo esse tempo, essas lágrimas;
O que eu via era minha mão comprimindo o que bate no peito,
Até vazar pelos dedos como areia morta,
Como memória inútil.

É certo permitir que renasça o coração?
Que faria com essa esperança prestes a dar à luz?
Há ainda dentro desta armadura frágil algo de divino,
Mas nem meus olhos se atrevem a ver.

O que pode a Indiferença além de deixar cicatrizes profundas?
Falhou em seu intento de secar meus olhos às belezas.
Que cada um saiba perdoar os próprios crimes,
Ainda tento perdoar os meus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário