5 de dez de 2014

Santuário



Os suspiros fantasmagóricos que dos meus olhos sugam lágrimas,
São brados de um coração à beira da morte... à beira do precipício.
Suplicando uma alva e macia mão que não existirá mais...

De que me servem olhos que para a verdade se fecham?
De que me serve um céu, se contemplo estrelas mudas em solidão?
De que serve o luar, se transforma flores em sombras que me amedrontam?

Meu santuário é um cárcere.

De que serve o sol, se nas horas de pavor não sinto sua luz?
De que serve a noite bucólica e bela, se apenas eu nela existo?
De que serve a mais bela memória, se só dor me oferece?

Meu santuário é uma ruína.

De que serve minha fé, se nenhum Anjo responde à minha voz?
De que serve flutuar, se tudo no mundo aparenta estar submerso?
De que serve a palavra, se o fim já colocou o ponto final.

Meu santuário está adoecido.

Se despertasse minha força, apenas a Deus eu temeria.
Se a alma não fosse escrava do sentimento, seria mais poderosa que a harpia.
Se já não fosse tarde demais, eu começaria tudo de novo.

Meu santuário é o Amor.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário