8 de dez de 2014

Retrato


Não restam retratos,
nenhuma fotografia, 
nenhuma palavra,
nenhum sonho.

Falo com uma imagem muda,
roubada pelo silêncio,
pelos quilômetros,
pela dúvida.

Falo; relembro histórias
como só os idosos deveriam fazer;
numa fase em que lembrar é doce,
é provar que se viveu.

Quem está do outro lado?
Alguém amado?
Ou meu próprio reflexo vago,
Inexistente?...

Não restam objetos,
esperanças,
expectativas.
Resta o Amor, que é maior que tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário