1 de dez de 2014

Essência


Quando todos partem, quando tudo se parte,
Resta a noite com sua poesia muda,
Que só aqueles sem ouvidos podem ouvir.

Mesmo na escuridão, sei onde estão as rosas,
E as rosas sabem onde estou.
Perdidos, todos nós.

A esperança não morreu, como tanto pedi.
Seria tão mais fácil...
Tão mais fácil ser seco como a seca realidade.

Mas não.
A luz da lua, das estrelas, me convoca,
Atiça fagulhas quase extintas de sonho.

E eu quero voar...
Deus... Depois de tão alto ter chegado,
E de tão profundamente ter mergulhado no concreto morto:

Eu quero voar.
Quero o calor dos aromas e dos olhares,
Quero aquele abraço que jamais deveria querer.

Vai além da estupidez e da inocência
O sentimento que ainda persiste:
É essência.

É pouco e é tudo o que sou.
É pouco mas é tudo que tenho.
Sou eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário