16 de dez de 2016

Mais uma dose



Tantas feridas cansadas de doer.
Tudo aquilo não foi um milagre.
Não foi.
Nunca estivemos realmente lá.
Nunca fomos realmente nós.

Ao menos ainda conseguimos correr.
Fingir uma confortável revolta.
Estamos crescendo tão bem,
Perdendo o medo do escuro,
Ganhando medo de tudo.

Eu tinha direito àquela agonia,
Àqueles sonhos,
Ao luto sem prazo de validade.
Ao menos não era uma dor mesquinha,
Era algo de mais nobre, de mais refinado.

Veja agora a vida:
Todos cegos em um labirinto.
Que criatura amorfa e quase assustadora
Sobrou dos dias cheios de sol.
Todos os deuses estão mortos.

Que transcendentais eram aquelas preciosas ilusões, não?
A realidade tem um cheiro bem menos agradável.
E eu não perdoo a sua perfeição.
Eu odeio a sua perfeição.
Mas ainda amaria todo o resto de você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário