14 de jun de 2015

Nenhum anjo


É inútil questionar se o paraíso ainda está povoado o suficiente.
Serafins de seis asas ao lado de Deus,
Arcanjos e suas espadas e bravuras,
Querubins com sua doçura.

Ainda olho para as estrelas da sarjeta
De onde me despedi do Amor,
Envolto em uma esperança fina demais
Para espantar o menor dos frios.

É inútil a mágoa pelos anjos que desistiram de mim,
Embora suas promessas e sorrisos e olhares.
Nenhum sonho, nenhuma realidade, apenas momentos.
Os anjos nunca existiram de verdade.

Estão todos perdoados.
Perdoados por tudo o que usaram, roubaram, desperdiçaram;
Perdoados pelas pequenas mentiras, pelas grandes tragédias.
Um dia até me perdoarei pela fé que neles depositei.


Nenhum comentário:

Postar um comentário