24 de fev de 2016

Poema


Que pensas de mim a este meu dedicar-me intenso a ti?
Todo poeta é de certo ponto um desesperado...
Idolatrada sentimentos como o faminto idolatra o pão que lhe salva a vida.
Que pensas dessa santa doença que é a poesia?
Talvez um capricho, uma urgência, uma arrogância...
Eu penso que é simples... e vital,
Como o ar que sustenta os pássaros e a água que sustenta os peixes,
Uma conectora indestrutível de tudo que há,
Tudo de belo, tudo de vivo, tudo sentido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário