9 de fev de 2014

Tão próximo


Faço traços no ar como que desenhando as linhas do seu rosto.
As linhas de um relicário sagrado pelo qual meus dedos deslizaram... 
Eu tento reconstruir com mãos e memórias o fragmento da perfeição divina que esteve diante do meu toque.
Mentalizo seus lábios, o contorno perfeito deles e a forma tão bela que eles tomam quando sorri, como uma escultara muito trabalhada.
E entre todas as palavras, tantas palavras, nenhuma seria digna de qualificar a beleza dos seus olhos...
Com isso, minha mente perpetua sua expressão indescritivelmente perfeita.

Eu tento reconstruir você, agora que está tão distante novamente.
Eu deixei em meu coração, impresso como uma tatuagem, sua poesia ao partir:
"Agora que minhas mãos tocaram você;
Agora que meus olhos olharam os seus;
Agora que meus lábios beijaram os seus,
Como suportarei a distância?"

O caminho é longo, meu raro e único anjo.
Longo como é a vida...
Mas lentamente a vida vai passando, e o caminho que nos distancia também.
Se não ousarmos ser quem nós somos, o caminho não será trilhado, mas a vida passará sem misericórdia.

Mas não se importe com minhas palavras, não tanto.
Importe-se com a forma com que meus olhos rendem-se ao seu esplendor.
Meus olhos, calmos e silenciosos, que buscam você em todas as coisas,
São como as nuvens pacíficas que lavaram os ares e as estradas antes da sua chegada.
Mesmo distante, meu olhar estará perto, 
Admirando e guardando o novo e imenso sentimento a que demos vida.


Nenhum comentário:

Postar um comentário