11 de ago de 2016

O tempo passa lento


Que tenho a dizer que não saiba, que não sinta?
Se te serve, o céu é azul hoje, como foi ontem.
O clima é ameno e a luz de agosto torna bonita a cidade.
As crianças correm acreditando na liberdade, como deve ser.
As árvores parecem dormir embaladas pela brisa.
Não muito longe, os ratos tomam o poder,
Enquanto os desesperados tomam as ruas.
São tempos sombrios, mas de esperança,
O que me parece estranho.
Os poetas marcam o tempo com as batidas do coração,
E o tempo passa bem lento...
Talvez a poesia seja também isso:
A repetição do banal até se tornar sagrado.
Todos parecem cansados,
E todos estão.
Mas seguem lutando, 
Mesmo com passados e futuros tão densos no caminho.
Às vezes me parece que nem tudo é uma mentira
E eu sorrio tentando fazer uma oração sem palavras.
Ora sim, ora não, sinto fé...
Hoje ela tem cheiro de jasmins.

Nenhum comentário:

Postar um comentário