2 de jan de 2015

Aqueles dias



Para onde vai o tempo que passa?
Se tudo termina, por que continua a queimar?
Como se houvesse uma nova chance de cor à flor que secou...

Onde adormecem os sentimentos que nascem e são renegados?
Resta alguma compaixão para eles? Há quem cuide deles?
Deve ser tão triste e solitário um lugar assim...

Para onde vão as lágrimas que evaporam da face?
Há um céu só para elas? Nuvens só delas?
De alguma forma é como se elas chovessem agora...

Poderiam durar mais aqueles dias em que bastava a chuva e o sol.
Poderia durar mais aquele tempo em que a alma bailava no vento;
E não sentia tanto, tão profundamente.

Não sofro pelos enganos do coração,
Revolta dá ao vê-lo morrer por causas tão estúpidas.
A maior de todas as dores é a única pela qual agradeço.

O sentimento insiste porque esta vida não basta, é oca, inválida.
O sentimento insiste, porque não me basta ser um riacho
Se tenho nos lábios o sabor do mar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário