8 de mar de 2015

Queria de ti o que queria das rosas


Sei amar as rosas sem incomodá-las,
Sei que saberia acariciar seu coração 
Sem a necessidade de segurá-lo em minhas mãos.

Minha insanidade sabe até onde pode chegar.
Eu não almejaria possuir uma força da natureza;
Sua beleza está em sua liberdade e fúria. 

Queria de ti o que queria das rosas...
A inebriação do perfume, 
O toque no veludo das pétalas, da pele.

Há em teus olhos a cor da terra fértil,
E deles brotam belezas como da terra brota a vida.
Que quero eu da terra além de apenas louvar seus milagres?

Como uma criança deslumbrada admiro a tempestade distante.
Admiro a água sagrada que tão longe jorra do céu
A água da qual jamais sentirei outra vez o sabor.





Nenhum comentário:

Postar um comentário