5 de mar de 2015

Perfumes e feras


Paz é a luz da lua sobre a pele nua
E a roseira tão carregada de gordas rosas brancas e vermelhas;
Também as nuvens que bailam em silêncio
Num céu anil pontilhado de estrelas.

Paz é a maciez da terra castanha, acolhedora como abraço de mãe;
Mãe que de fato é.
Também a canção, que com gentileza decifra a alma,
Pinta seus sonhos.

Mas o sentimento, uma forte fera indomável, quando desperta, é voraz.
Ele corta o peito, mas não tira a vida.
Como um bisturi elétrico, cicatriza ao mesmo tempo que talha a carne. 
Eu sinto suas garras penetrando fundo, tão fundo. 

Por vezes mascara-se de perfume de alecrim,
Gentil e doce.
Com grande afabilidade envolve o coração ressequido, 
O banha em esperanças desconhecidas. 

Eu aceito. 
O espírito é campo vasto, repleto desses perfumes e feras.
Aceito me desfazer diante de tamanha força, tamanha beleza.
Suporto meu inegável desejo, a fúria da ânsia libidinosa.




Nenhum comentário:

Postar um comentário