10 de fev de 2015

Continua


Delicados e puros sentimentos desaparecem...
Como o orvalho da manhã sendo desintegrado pelo sol inclemente.
Rendo graças ao silêncio,
Ao menos ele não parte, não promete, não sorri mentirosamente.

É finda a espera.
É finda qualquer desumana expectativa.
Se ainda caminho, mesmo trôpego, é por razão de natureza;
Como viver sem a busca?

Busco. Embora anjos e demônios concordem em dizer:
"Não há nada adiante."
Insisto. Respondo:
"E o que resta atrás?".

Talvez haja quem colha nossas preces com mãos afáveis,
E na aspereza do caminho incerto, aquelas roseiras plantadas em dias tristes,
Ofereçam algum meigo perfume.
Continuemos, pois. Fingindo que continuar é uma escolha, uma opção.

2 comentários:

  1. Contínuo, esse texto é um loop.
    Penso nele como um círculo, sem começo e sem fim.
    Como sair dele?
    Parabéns Marcos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Allan. É bom encontrar quem ainda entenda e sinta os poemas.
      Fico feliz com seu comentário.
      Costumo ler seus tectos também, gosto muito.
      Forte abraço!

      Excluir