20 de mai de 2014

'Mais que a mim'


Dei à poesia - ao que tenho a arrogância de chamar assim - 
mais poder que a mim. 
A palavra forte, forjada de ferro a fogo, contrasta com a voz calma demais.
E a voz reconfortante dos heróis repousa silenciosa, distante.

Quando sobrevoo o céu ocre ao entardecer, 
nem me doem essas distâncias todas,
Nem me dói o que possa vir após o final dos livros de contos de fadas.
Penso que por algumas vezes não será necessário o escorrer de sangue.

Ignoro meus ancestrais e temo meus descendentes.
Quando e por quanto tempo se abrirá a flor da árvore que plantei no jardim?
Dores sem nomes não deveriam doer...

Cansei de pedir perdão a Deus.
Cansei de dizer: "Estive ausente, mas estive aqui.".
Perdão, meu Deus.
Sei que estou ausente, mas estou aqui.


Nenhum comentário:

Postar um comentário