28 de out de 2014

Ainda aqui


As damas falam de paraísos distantes.
Minha alma suspira,
Como um fantasma preso na escuridão,
Imaginando inatingível claridade.

Ainda que belas, as manhãs silenciosas já não são o bastante.
Algo sussurra: 
Há vida além do silêncio, cultivador de sentimentos.
Há vida além do sabor insosso dos mesmos ventos que te acariciam.

Não fui mesquinho.
Deus talvez me puna por outros pecados,
Mas não por ter oferecido migalhas de mim,
Não por ter entregue qualquer mentira.

Dos meus únicos tesouros: fé, amor, esperança;
Jamais fiz um castelo solitário,
Onde apenas minhas quimeras pudessem residir.
Não existem portas, não existem armadilhas.

Mesmo após a devastação,
O espírito foi ao jardim regar flores que resistiam à estiagem.
Salvou as flores e por elas foi acolhido.
Adormeceram juntos, com suas humildes belezas e grandes fragilidades.

As partes levadas, ressequidas, destruídas
Não retornaram nem retornarão.
Mas outras pilastras brotam lentamente onde as velhas ruíram.
Algo ainda sustenta em pé o coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário