28 de set de 2014

Finitude


Sinto medo dessa imensidão.
O mundo é pequeno demais, mas o sentimento é imensurável. 
Quando mais alimento o espírito,
mais o espírito se torna escravo de sua voracidade.

Já foi acariciado cada centímetro do jardim,
e sorvidas toda luz e toda escuridão do universo.
Já foram vistos paraísos e infernos,
Mas falta. É pouco. E dói.

Não nego a entrada de nenhuma ilusão.
Todas que batem à porta, adentram, bem recebidas.
Mas a porta agora já permanece destrancada,
e eu finjo não notar quando elas partem sem dizer adeus.

Finitude.
Mesmo acorrentado à eternidade, ela me persegue.
Um sem número de inícios e términos,
de tempestades e calmarias,
e eu sinto cansaço.

É isso a vida:
Irregular. 
Indestrutível, mas transitória como um olhar,
como uma flor, como uma esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário