1 de abr de 2017

Transitório


É essa infantil ideia de imutabilidade
Que nos faz parecer menos desesperados;
Esse espetáculo espetacular,
Cuja hora do fechar das cortinas ignoramos solenemente.

Mas é tão pacífico pensar no oceano que nunca me conheceu.
É suave pensar que algo é relativamente para sempre.
O que me diriam os deuses se eu questionasse
Se o caminho certo é realmente o melhor caminho?

Todo esse tempo, apenas imploramos atenção aos desejos mesquinhos.
Expelindo ao vento o que ninguém mais se atreveria a carregar.
Naquele batalha ancestral, sua doçura furou meus olhos,
E agora na plena escuridão eu vejo tantas estrelas além daquelas.

E nunca fui eu a fazer as palavras, foram as palavras a me fazer.
Nada fui além do silêncio escurecido da noite.
E o que serei adormece numa ilha de sonhos distantes,
Onde apenas memórias valsam, como fantasmas exaustos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário