24 de out de 2012

Aqui comigo


É quase meia-noite, mas se eu abrisse minha janela sei que veria o sol, pois sua face sorridente está sempre diante dos meus olhos.
E eu preferiria, meu amor, ser para sempre o mais paupérrimo dos artistas de rua pelo resto dos meus dias para estar em seu caminho quando de sua casa sai e lhe entregar flores e poemas açucarados no farol, do que ser o fabuloso filósofo, tão coerente, que passa a vida toda lutando para provar que a vida não faz sentido.

Ela faz, porque você está aqui comigo.
Ela faz, porque posso não ter muitos objetivos, mas tenho muitos sonhos.
E não pense em sonho como algo imenso, pense em sonho como algo leve.

Por exemplo, sonho que amanhã chova um pouco, mas não muito, o suficiente para amaciar a terra e trazer à vida aquelas pequenas sementes que enterrei.
Sonho que as pessoas entendam o que os outros têm condições de ser e oferecer, e que não exijam mais do que  isso.
Sonho que às 23:07 você me ligue, me fale do seu dia, diga que está tudo bem.
Sonho em acariciar o bichano, deixá-lo dormir sobre meus pés por alguns minutos.
Sonho coisas simples, coisas fáceis, pois o amor de todos os sonhos já realizei.
Você está aqui comigo.
Não seria certo querer algo mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário